santa-candida

abrigo-virtual

Edição Digital - JUNHO 2016
Clique na capa e aguarde o carregamento da página para começar sua leitura.

 

Edição - MAIO 2016
Clique na capa e aguarde o carregamento da página para começar sua leitura.

Banner
Banner

Pesquisa

Do que nosso bairro mais precisa?
 

twitter-sigaface-siga

siga-nos

AGORA ONLINE

Nós temos 28 visitantes online

Visitas

Visualizações de Conteúdo : 2392273
Noruega faz o melhor comercial das Olimpíadas no Rio de Janeiro PDF Imprimir E-mail
Escrito por Pragmatismo Politico   
Seg, 25 de Julho de 2016 11:23

olimpiada

Um comercial norueguês resolveu mostrar um Rio de Janeiro mais “realista” (assista abaixo).

A campanha da marca esportiva XXL Sport & Villmark para os Jogos Olímpicos do Rio se passa em uma favela e mostra a história de um garoto que persegue um misterioso homem para devolver a carteira que ele deixou cair.

Ao mesmo tempo, o próprio garoto é perseguido por policiais que acreditam que o acessório tenha sido roubado por ele.

Durante as perseguições, quadras poliesportivas e 

espaços de treinamento são evidenciados dentro do local como um espaço de vivência entre os esportistas dali.

Após uma série de aventuras, algumas um pouco bizarras (como quando o menino pega carona com um homem que voa de asa delta), ele consegue finalmente devolver a carteira ao personagem.

O dono da carteira é Ronaldinho Gaúcho, que se apresenta e salva o dia, para a felicidade dos agentes policiais. O vídeo termina com uma pelada na praia entre o menino, Ronaldinho e policiais. Um final “de novela”, praticamente.

A peça publicitária foi produzida pela Camp David Filme e SouthWest Productions em colaboração da brasileira Hungry Man. O nome do roteiro é “Esporte une todos”.

Contrastes

“Quando os Jogos Olímpicos começarem no Rio, será um momento de grandes realizações esportivas, samba e festividades coloridas. No entanto, nem todo mundo fará parte das festividades. Porque, apesar de sua beleza, o Rio é uma cidade de contrastes. Na sombra das celebrações Olímpicas você vai encontrar as crianças de rua do Rio vivendo em favelas onde a brilhante imagem da Olimpíada é apagada pela pobreza e condições difíceis”, diz a marca em sua página oficial do YouTube, onde o vídeo foi divulgado.

“O esporte cria esperança em meio à vida cotidiana, que é ao mesmo tempo exigente e difícil para muitas pessoas. No Brasil, todo mundo adora futebol, quase sem exceção. Jogar futebol ou praticar outro esporte é definitivamente uma coisa positiva. Isso pode superar obstáculos e resolver conflitos. Cria unidade e solidariedade, e estabelece as bases para o diálogo. É nisso que nos concentramos em nosso novo comercial”, finaliza.

Video:  https://www.youtube.com/watch?v=NvustDmW7bk

 

 
BBC MOSTRA QUE SUPOSTOS TERRORISTAS NEM TINHAM CONTATO COM O ISIS NEM ARMAS PDF Imprimir E-mail
Escrito por BBC e Brasil 247   
Dom, 24 de Julho de 2016 14:35

moraes

O EX- ADVOGADO DO PCC E ATUAL MINISTRO DA JUSTIÇA AINDA DISSE QUE ELES AINDA COMPRARIAM ARMAS, AINDA APRENDERIAM ARTES MARCIAIS…. E AINDA IAM COMPRAR ARMAS E ERAM DESORGANIZADOS

Por BBC

A Polícia Federal prendeu brasileiros suspeitos de planejar ataques na Olimpíada do Rio. Eles se comunicavam pela internet e parte fez juramento de lealdade ao grupo autodenominado Estado Islâmico – mas, segundo as investigações, não tiveram contato direto com os extremistas.
São 12 pessoas com pedidos de prisão, sendo que 10 já foram detidos. Segundo o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, eles não se conheciam pessoalmente e vivem em diferentes Estados do país.
“Aparentemente, era uma célula absolutamente amadora, sem nenhum preparo”, disse o ministro em entrevista coletiva no fim da manhã. De acordo com ele, a probabilidade de um ataque na Olimpíada é “mínima”.

Confira o que já se sabe sobre o caso.
1) Quem eram os suspeitos?
São 12 pessoas com prisão decretada, sendo que 10 já foram detidas. As outras duas já foram rastreadas pela Polícia Federal, mas ainda não tinham sido detidas até o momento do pronunciamento de Moraes, no fim da manhã.
Todos os suspeitos são brasileiros – suas idades não foram reveladas. Segundo o juiz federal Marcos Josegrei da Silva, um dos responsáveis pelo caso, há jovens e pessoas de meia idade. “A maioria tem entre 20 e 40 anos de idade”, disse.
O magistrado afirmou que nenhum deles têm nome ou sobrenome característicos do Oriente Médio, mas utilizam em suas conversas pela internet apelidos de origem árabe.
Além das 12 pessoas com pedido de prisão, um menor de idade foi alvo de ação de busca e apreensão.
Os suspeitos nunca marcaram um encontro pessoal – eles não se conheciam pessoalmente e viviam em Estados diferentes. Segundo o ministro, a ordem era cada um por si.
De acordo com a Justiça Federal, os investigados preconizam a intolerância racial, de gênero e religiosa, além do uso de armas e táticas de guerrilha para alcançar seus objetivos.
Eles foram detidos em dez Estados: Amazonas, Ceará, Paraíba, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul. Dois deles já foram condenados e cumpriram prisão por homicídio.
Além disso, a operação investiga uma ONG “com atuação na área humanitária e educacional” que teria colaborado com o grupo suspeito.

2) Como eles se comunicavam?
Os envolvidos participavam de um grupo virtual chamado Defensores da Sharia – a lei islâmica. A investigação contou com quebra de sigilo telefônico e de dados dos suspeitos, que trocavam mensagens usando redes sociais.
Eles também se comunicavam via aplicativos de mensagens instantâneas como WhatsApp e Telegram. Questionado pela BBC Brasil, o ministro disse, no entanto, que não poderia esclarecer se houve monitoramento desses aplicativos.
Nesta semana, o WhatsApp foi tirado do ar por algumas horas, após decisão judicial, justamente por sua resistência em quebrar a privacidade dos usuários para permitir monitoramento de supostos criminosos – a empresa diz que, como as conversas agora são criptografadas de ponta a ponta, ela não tem acesso às conversas.
“Nós temos outros métodos de investigação”, disse o ministro, sem especificar quais.

3) Qual era o contato com o Estado Islâmico?
Segundo as investigações, não houve contato direto com os extremistas. Mas alguns dos suspeitos fizeram juramento ao grupo pela internet – de acordo com Moraes, isso foi realizado por meio de uma ferramenta online padrão.
Ele não soube precisar o número, mas de quatro a seis indivíduos teriam feito o juramento.
Além disso, um deles teria manifestado a intenção de ir ao exterior para fazer contato com o grupo, mas dias depois desistiu por falta de recursos para custear a viagem.

4) O que permitiu que eles fossem presos?
O grupo detido nesta quinta-feira está sendo investigado com base em dois artigos da recém aprovada lei 13.260, a Lei Antiterrorismo.
Segundo o juiz Silva, um deles é o artigo 3º, que caracteriza como crime “promover, constituir, integrar ou prestar auxílio” a organização que realiza ataques terroristas. A punição varia de cinco a oito anos de prisão e multa.
O outro é o artigo 5º, que descreve a ação criminosa de “realizar atos preparatórios de terrorismo”. A pena para esse crime depende do ato que vinha sendo realizado pelo suspeito.
Segundo o ministro Moraes, as pessoas presas trocaram mensagens em que planejavam iniciar treinamento em artes marciais e em tiro.
Um deles enviou e-mail para uma loja de armas para comprar um fuzil AK-47, disse o ministro.
As autoridades não deram mais detalhes sobre a preparação dos supostos ataques.

5) Que tipo de ataque pretendiam executar?
Pelas conversas monitoradas, o ministro identificou que o grupo teria mais interesse em um ataque por tiros, já que discutiram sobre treinamento em armas e um deles tentou comprar um AK-47.
Além disso, disse Moraes, eles elogiaram nas conversas o ataque recente de um atirador solitário em uma boate gay em Orlando, nos EUA, que terminou com 50 pessoas mortas. “Em nenhum momento eles falaram de bomba”, notou o ministro.
Em outro ataque recente, em Nice, na França, um homem atirou um caminhão contra uma multidão, matando 84.

6) Qual o nível de periculosidade do grupo?
Moraes classificou o grupo de “célula absolutamente amadora” e “desorganizada”. Os suspeitos vivam em Estados diferentes e nunca tinham se encontrado pessoalmente.
O ministro disse que não pode detalhar quando teve início o monitoramento dos presos, mas revelou, por exemplo, que as mensagens sobre treinamento em artes marciais e tiro eram muito recentes.
“Aparentemente, era uma célula absolutamente amadora, sem nenhum preparo. ‘Vamos treinar artes marciais’, essa mensagem é recentíssima. E qualquer célula organizada não tentaria comprar uma arma na internet. Até porque um deles estava no Paraná, mais próximo de onde sabemos que infelizmente se compra muita arma, que é o Paraguai”, explicou.
Apesar do claro amadorismo dos suspeitos, o ministro disse que nenhuma ameaça, por mínima que seja, deve ser ignorada.
“Nenhuma força de segurança séria pode ignorar, mesmo verificando que tudo levaria a crer que não realizaria um ato sério, competente de terrorismo, mas não seria de bom senso aguardar para ver”, destacou.

7) Qual o grau de risco para a Olimpíada?
Moraes informou que nem o governo brasileiro nem as agências internacionais alteraram a classificação de risco de ataque no Brasil após essas prisões.
Ele reiterou que “a questão da segurança pública (na Olimpíada) é muito mais importante, gera muito mais preocupação que a questão do terrorismo”.
“Probabilidade mínima de ataque terrorista”, disse ainda.

8) Quais serão as próximas etapas da investigação?
Além das prisões, a Polícia Federal realizou uma série de mandados de busca e apreensão. Os objetos coletados (entre eles computadores, celulares e documentos) serão analisados e os suspeitos detidos, interrogados.
O objetivo é tentar verificar se eles realmente pretendiam realizar os atentados sobre os quais falaram na internet.
“Nem tudo que uma pessoa preconiza no mundo virtual, ela vai realizar no mundo real”, disse o juiz.
Segundo ele, as prisões eram necessárias devido ao contexto mundial de ataques recentes.
Os suspeitos cumprirão prisão temporária de 30 dias – prorrogáveis por mais 30 – para que não atrapalhem as investigações.

Despreparado: terrorismo do ministro da Justiça faz 20 mil cancelarem reservas para Rio 2016

Brasil 247 

Ministros de Michel Temer acreditam que a atitude do titular da Justiça, Alexandre de Moraes, de anunciar as prisões de pessoas acusadas de preparar atos terroristas no país com espalhafato, pode ter efeito duplo: de um lado, mostra firmeza. De outro, pode aumentar o pânico e afugentar turistas que vêm para o evento.

É o que aponta a nota da colunista Mônica Bergamo. Segundo ela, o próprio governo trabalha com a informação de que 20 mil pessoas cancelaram reservas em hotéis para a Olimpíada no Rio por causa das notícias, veiculadas pelas próprias autoridades, de que as coisas não andam bem na cidade. Aos poucos, elas foram sendo refeitas.

PIADAS NA INTERNET - Diversos memes estáo postados na internet sobre aquilo que analistas consideram mais uma trapalhada do ministro Moraes.

muhamas

 

kim 

 

 

Última atualização em Seg, 25 de Julho de 2016 11:38
 
COM QUEIXAS DE SEGURANÇA E OBRAS, AUSTRÁLIA NÃO VAI SE INSTALAR NA VILA OLÍMPICA PDF Imprimir E-mail
Escrito por Brasil 247   
Dom, 24 de Julho de 2016 14:13

australia

Atletas australianos não se hospedarão na Vila Olímpica, disse neste domingo, 24, a chefe de missão da delegação da Austrália, Kitty Chiller.

Os australianos estavam designados para ficar no edifício 23, mas devem se instalar em hotéis nos arredores do Parque Olímpico. Segundo ela, o complexo localizado próximo ao Parque Olímpico da Barra contém inúmeros problemas, como banheiros bloqueados, vazamentos, fiação exposta, falta de iluminação e uma "enorme sujeira". 

O local foi aberto oficialmente neste domingo e já recebeu delegações de alguns países, incluindo o Brasil, Israel, Alemanha e Itália.

Kitty Chiller disse que os oficiais australianos, que já vinham trabalhando na vila há alguns dias, relataram os inúmeros problemas ao comitê organizador dos Jogos do Rio e ao Comitê Olímpico Internacional.

Ela citou que o Reino Unido, Nova Zelândia e outros países também ressaltaram as dificuldades. "Há muito trabalho a ser feito na vila e nós apreciamos os esforços do COI e do comitê organizador para resolver os problemas", concluiu Chiller.

 

 
 
Última atualização em Dom, 24 de Julho de 2016 14:13
 
Fernanda entrega veículos para assistência social nos municípios PDF Imprimir E-mail
Escrito por Agencia de Notícias do Paraná   
Qua, 20 de Julho de 2016 19:29

fernanda 5

A secretária da Família e Desenvolvimento Social, Fernanda Richa, entregou três veículos para o atendimento de famílias que vivem em comunidades rurais e isoladas dos municípios de Cândido e Abreu ((região central), Guaraqueçaba (Litoral) e Tamarana (Norte). O evento foi realizado no Palácio das Araucárias, em Curitiba, e contou com a presença dos gestores da assistência social dos municípios contemplados e representantes da Renault, fabricante e doadora dos veículos ao Governo do Estado.

“Essa é mais uma ação do Governo do Estado para fortalecer o acompanhamento familiar realizado pelo programa Família Paranaense. Com os veículos, as equipes municipais poderão alcançar famílias que moram em áreas mais distantes e de difícil acesso”, afirmou Fernanda.

A secretária ressaltou a importância das parcerias entre o poder público, a iniciativa privada e a sociedade no desenvolvimento de projetos que atendem às famílias mais vulneráveis. “A entrega desses veículos demonstra que estamos no caminho certo. Cada vez mais comprometidos em ações que beneficiam aqueles que mais precisam, que são as famílias mais carentes.” 

fernanda 6

CÂNDIDO DE ABREU - Para a secretária de assistência social de Cândido de Abreu, Luciana Muraro Reis, o novo veículo facilitará o trabalho de busca e atendimento às famílias atendidas pelo Família Paranaense. “Cândido de Abreu é um município que tem uma grande extensão e que possui muitas famílias em vulnerabilidade. Temos falta de carros e, com a nova van, conseguiremos estar mais perto dessas famílias”, disse. 

Luciana ressaltou que a parceria com o governo estadual vem garantindo avanços para a área da assistência social de Cândido de Abreu. “Temos todo o apoio do Governo do Estado e recebemos recursos para o desenvolvimento de programas sociais.” 

Com 16,5 mil habitantes, Cândido de Abreu é um dos municípios prioritários do Família Paranaense, aqueles com menores índices de desenvolvimento. Desde 2012, quando o programa foi implantado, 642 famílias foram atendidas, sendo que 126 delas com acompanhamento individualizado. Do total, 585 receberam o Renda Família Paranaense, que faz o complemento de renda de famílias que vivem em estrema pobreza. O total repassado chega R$ 310 mil. 

GUARAQUEÇABA - A coordenadora do programa Família Paranaense em Guaraqueçaba, Leire Ferreira dos Santos, também afirmou que o novo veículo fortalecerá o atendimento às famílias do município. “Temos famílias que não sabem e não têm como chegar à cidade. Com a van poderemos ir até as famílias para ver suas necessidades, levá-las para atendimento médico, odontológico, psicológico. Sem essa parceria não conseguiríamos fazer isso”, disse.

Nos últimos quatro anos, 1.000 famílias de Guaraqueçaba foram atendidas pelo programa. Além do acompanhamento individualizado, todas receberam o Renda Família Paranaense. Até junho, o repasse somou R$ 637 mil.

Além do veículo, Guaraqueçaba conta uma voadeira para visitar as famílias atendidas pelo programa e que moram em nove ilhas da região. Neste momento o trabalho atinge aproximadamente 300 famílias. O barco custou R$ 45 mil e foi comprado com recurso do Incentivo Família Paranaense, repasse feito pelo Governo do Estado aos municípios prioritários do programa para investimento em ações de assistência social. 

CONTEMPLADOS - Em 2015, o Governo do Estado fez o repasse de outros cinco veículos da marca Renault para uso na área da assistência social. Foram contemplados os municípios de Manoel Ribas, Nova Laranjeiras, Lapa, Ortigueira e Palmas. 

A escolha dos municípios segue critérios técnicos, como o número de famílias em situação de alta vulnerabilidade social, a quantidade de pessoas que vivem nas áreas rurais, a presença de comunidades indígenas e quilombolas e a área territorial.

PARCERIA – A entrega das vans faz parte do protocolo de intenções no qual a Renault se compromete a investir parte dos incentivos recebidos do Governo do Estado em ações de assistência social. Cada veículo tem um custo de R$ 143,5 mil e foi adaptado pela própria montadora.

Além da pintura externa, os veículos estão equipados com: toldo externo fixo; caixa de som com microfone; cadeiras dobráveis de alumínio; ar-condicionado portátil; notebook e impressora; cadeira secretária; cadeiras fixas; data show; telão pequeno; frigobar.

 

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo > Fim >>

Página 1 de 496

jav-separador

         twitter-siga-footerface-footer
Copyright © 2010-2013 Jornal Água Verde. Todos os direitos reservados.
Abrigo Virtual